26 de julho de 2014

PFV VTNC!

Eu estava muito cansada. Estava cansada de perder as pessoas, não queria mais nenhum sofrimento tão desproporcional como aquele outro. Eu me entristeci e não me encontrava mais. Eu tinha me doado tanto que levei todo esse tempo para me reconstruir. Por mais que eu quisesse, não estava pronta para viver certas coisas de novo e tão cedo, então agi da forma mais fácil e descomprometida possível. Fingi que não queria, debochei, me fiz de desentendida. Não queria prejudicar uma pessoa tão.. singular, tão adulta e também não aceitei ser uma opção após o rompimento de um noivado. Eu sou exigente a esse ponto. Bom,esse foi o único em especial por quem me interessei. Depois tem aquele monte de random people que sempre estão procurando guém e que são tão idiotas que não merecem linhas.
Mas hoje eu não aceito estar com alguém ou começar qualquer coisa com pessoas que tem fotos de outra no celular, ou que tem certeza que não querem namorar ou que preferem as amigas. Na verdade, isso tudo foi acontecendo e de repente foi a gota d'agua pra mim. Aquilo me marcou muito porque não foi honesto. Na minha cabeça não era certo, porque eu sou assim. Não dá pra aceitar sair com alguém tendo outra em mente. Por isso eu continuei na minha por um longo, muito longo período. Minha cabeça pensava em pessoas antigas e eu não queria me envolver com mais ninguém. Eu precisava ter isso certo comigo. Foi então que eu consegui. A imagem perfeita da pessoa ideal se descontruiu em algumas horas. Horas conflituosas, confesso, mas que refizeram totalmente as bases dessa minha devoção, desse amor imoderado, dessa grande farsa que eu ainda carregava no peito. Acho que isso tudo não deve desmerecer ninguém. Pelo contrário. Isso vem por a nu uma situação que por muito tempo me causou muitas dúvidas e tristezas, mas que hoje eu entendo perfeitamente que acabou, se dissolveu. Hoje eu já não tenho mais as dúvidas, nem o medo, nem as vontades esperançosas que ainda habitavam em mim no começo do ano. Hoje eu não sinto o medo nem nada mais do que eu sentia e que me impediam de seguir em frente.
Talvez tenha faltado isso. Desde quando esse último romance se desfez eu venho tentando me dar essa chance. Eu não sei como colocar, mas durante todo esse tempo eu vivi um conflito entre o que existiu e o que deveria ter existido. Eu me punia por ter levado tanto tempo para me desfazer de laços antigos,  enquanto eu ainda tentava me desfazer desses laços. É cruel e muito insensato.
Hoje eu me livrei do que me prendia à um relacionamento antigo. Finalmente rompi com as partes boas e ruins, porque eu sou assim. Eu me desfaço por completo das pessoas e nesse caso em específico, não tenho a menor intenção de trazer de volta qualquer detalhe vivido. Eu quero que as coisas fiquem como estão nesse aspecto.
É um alívio poder escrever sobre isso. É um alívio poder desmistificar e derreter todos esses sentimentos desencontrados.
É muito bom me abrir para essa faceta da vida de novo e saber que eu não perdi nenhuma parte de mim, que eu continuo inteira e que nada disso pode continuar me fazendo mal. Que eu não preciso continuar me intoxicando e me entristecendo, mesmo porque eu posso ser tudo, inclusive burra, mas eu não sou essa pessoa que eu me tornei. Eu sou muito melhor que isso.
Só me faltou te dizer uma coisa aquela noite que eu gostaria de dizer agora, então, hey, VAI TOMAR NO CU!

29 de junho de 2014

Is This Happiness?

Man to man
Heart to heart
I love you but 
you drive me so far
Wish you well
on that star

Is This Happiness?

You think you won the race
but soon I think you're 
fucking crazy as 
day is long

23 de junho de 2014

Apego

Meu amor,
Eu acho
Que o meu amor
Acabou
E o que
Sinto por você
Já yem outro nome

Too much skooma

A vida sempre se apresentou em ciclos. Pelo menos tenho visto as coisas acontecerem assim em minha vida desde sempre.
Pode não ser uma escolha acertada, mas acabo sempre carregando esses ciclos provisórios, ora se enchem, outra se esvaziam. Acabo sempre escolhendo uma cólera explosiva à carregar momentos eternos e congelados. Tenho certa tendência a preferir belezas efêmeras ao eterno sem vida. É como optar por flores vivas, que murcham e morrem, sabendo que toda beleza e perfume têm fim certo e bem próximo, ao invés das flores de plástico. É um tipo de amor esquisito, mas é como me sinto, é como sei amar enquanto tenho que viver em uma terceira dimensão totalmente limitada.
Talvez seja só uma justificativa , mas essa é a minha justificativa para os relacionamentos, as amizades. Não suporto a energia parada de alguns momentos e acabo por romper tudo. Sinceramente eu preciso de mais, eu quero sempre mais. Até hoje não senti em ninguém isso que eu sinto, e que sempre sinto quando me encaro e deixo de usar a mente e dou voz ao coração. Ele tem uma linguagem única e muito complicada que muitas vezes não sinto e até prefiro não sentir, que é pra não levar essa vida que poeta leva, dessa que parece estar sempre sonhando.
Isso cresce ou diminui, mas não desaparece. Está sempre ali esperando, me acalmando ou me incentivando, esperando uma próxima pessoa, uma nova energia, dando preferência  à masculina, tão mais dinâmica, forte e decidida. Talvez por ser a que completa, já que nos abandonamos tanto e nos fizemos somente metade.
Um pnesamento ou um desejo, não importa, mas khajit diria too much skooma!