29 de junho de 2014

Is This Happiness?

Man to man
Heart to heart
I love you but 
you drive me so far
Wish you well
on that star

Is This Happiness?

You think you won the race
but soon I think you're 
fucking crazy as 
day is long

23 de junho de 2014

Apego

Meu amor,
Eu acho
Que o meu amor
Acabou
E o que
Sinto por você
Já yem outro nome

Too much skooma

A vida sempre se apresentou em ciclos. Pelo menos tenho visto as coisas acontecerem assim em minha vida desde sempre.
Pode não ser uma escolha acertada, mas acabo sempre carregando esses ciclos provisórios, ora se enchem, outra se esvaziam. Acabo sempre escolhendo uma cólera explosiva à carregar momentos eternos e congelados. Tenho certa tendência a preferir belezas efêmeras ao eterno sem vida. É como optar por flores vivas, que murcham e morrem, sabendo que toda beleza e perfume têm fim certo e bem próximo, ao invés das flores de plástico. É um tipo de amor esquisito, mas é como me sinto, é como sei amar enquanto tenho que viver em uma terceira dimensão totalmente limitada.
Talvez seja só uma justificativa , mas essa é a minha justificativa para os relacionamentos, as amizades. Não suporto a energia parada de alguns momentos e acabo por romper tudo. Sinceramente eu preciso de mais, eu quero sempre mais. Até hoje não senti em ninguém isso que eu sinto, e que sempre sinto quando me encaro e deixo de usar a mente e dou voz ao coração. Ele tem uma linguagem única e muito complicada que muitas vezes não sinto e até prefiro não sentir, que é pra não levar essa vida que poeta leva, dessa que parece estar sempre sonhando.
Isso cresce ou diminui, mas não desaparece. Está sempre ali esperando, me acalmando ou me incentivando, esperando uma próxima pessoa, uma nova energia, dando preferência  à masculina, tão mais dinâmica, forte e decidida. Talvez por ser a que completa, já que nos abandonamos tanto e nos fizemos somente metade.
Um pnesamento ou um desejo, não importa, mas khajit diria too much skooma!

22 de junho de 2014

Coragem

Vencidas as neuras psicológicas e infantis que se mostraram absurdamente incompatíveis com o estilo de pessoa que desejo ardentemente me tornar, aquelas sobre ser inteligente ou feia ou esquisita, tem ainda um restinho de uma sensação que ainda me perturba um pouco e me faz pensar em trabalhar certos conceitos e tudo me leva crer que esse fimzinho de coisa ruim, está ligado ao mais sincero medo de falhar.
Hoje tenho claro na mente que o medo não é mais uma reação automática às diversas situações que temos de vivenciar. O medo é uma escolha e como toda escolha, é feita pela análise pensada ou muitas vezes apressada do que temos em mãos.
Por muito tempo deixei que o medo tomasse conta de tudo. Tive muito medo de pensar, de existir e principalmente, de me expressar. 
Passei muito tempo analisando os bastidores, esperando a hora certa de aparecer em cena, acreditando que era o melhor a ser feito. De novo, me enganei.
Sendo uma escolha direta ou indireta, dependendo apenas do ponto de vista com o qual o encaramos, o medo não deixa de ser tão e somente uma opção. E, sendo uma opção, pode paulatinamente ir sendo recusada, até não existir mais, assim quando como detestamos certo tipo de comida ou um gênero de filme. Insistimos em não aceitar, até o momento em que já não perguntam mais se queremos comer peixe ou ver um filme de terror. Eles deixam de existir. Não se abrem mais brechas. Não se fazem concessões.
Quando penso nesse medo de falhar, obviamente não estou incluindo os conceitos terrenos e medíocres de que as "boas pessoas" são feitas.  Carreira e família. Não me preocupo com esses, porque são verdades absolutas. Pois é. Acredite. Não me preocupam mais e qualquer coisa que eu fale sobre o assunto, terminará em uma tentativa deselegante, egoísta e cheia de justificativas que não serão suficientes para ninguém mais além de mim mesma.
Tento falar das coisas que sentimos com a alma, das coisas que nos movem por dentro, nossas próprias verdades, mas que na maior parte das vezes em que tentamos exteriorizá-las, se confundem, se somam e somem nos inúmeros discursos piegas, extremamente baratos e cheio de inverdades com as quais temos que lidar quase que diariamente.
Refiro-me às coisas do coração. Coração como modo de dizer, porque cabe ao timo o papel que delegamos ao coração. É o timo quem tem toda essa capacidade de sentir. É o timo que fica pequenininho e apertado ou se enxe de alegria. Mas, enfim, àquelas que ninguém no mundo é capaz de acessar. São feitos nos momentos que são só nossos, no desvelar que uma leitura calma e propícia é capaz de nos dar, nos minutinhos em que "a voz na nossa mente" consegue a muito custo nos acessar e tomamos a decisão acertada de pegar uma rua ao invés da outra, sair dali quinze minutos, ligar para alguém que precisava tanto nos ouvir.
São essas verdades ou esses esboços mínimos a que me refiro. O medo de falhar ao ouvir essa verdade interior me pega de surpresa algumas vezes e por esse motivo, me sinto fraca.
São muitas pessoas tentando o mesmo. São muitos os corações que querem se libertar, fazer o melhor, amar incondicionalmente; são muitos que também querem se sentir completos e inteiros, e refutam o controle das massas através de certos meios, a lavagem cerebral feita em todas as religiões e doutrinas religiosas, tanto nas dominantes quanto nas minoritárias. São muitos os que fogem de conceitos ultrapassados, politicagens, das crenças enraizadas há tanto tempo e buscam novas verdades e tudo o que concerne ao termo espiritualizar-se.
É um medo que surge tímido, mas ainda assim um medo. Medo que só se alivia quando conscientemente deixo de optar por ele e acabo escolhendo seu oposto.
Não sei se de fato a coragem é o sentimento oposto para esse medo, mas voltando atrás nas minhas memórias, foi exatamente a coragem que me faltou em momentos delicados dessa minha existência atual. É coragem que ainda me falta.
Estamos nos entendedo. Bem aos poucos temos nos entendido, ela tem feito sua parte, eu é que receio em usá-la, mas sei que ainda seremos amigas, porque sei também que relacionamentos duradouros custam um bocado a nascer.